24
Nov
07

O Futuro [a médio/longo prazo] da Leitura

Há poucos dias a Newsweek, conceituada revista americana, publicou como história de capa um extenso artigo, intitulado The Future of Reading, sobre o novo gadget do momento, o Kindle, um novo leitor de e-books desenvolvido pela Amazon. Naturalmente que este artigo foi extensamente badalado nos meios informativos afectos às TI, especialmente se tivermos em conta que Jeff Bezos, fundador da famosa loja on-line, define o seu produto como o “iPod da leitura”…

Do artigo há a reter especialmente as várias considerações tecidas sobre a relação leitor-autor, o actual estado da indústria editorial e as previsões para o futuro da mesma. Resumido, “in a nutshell”, e da forma como vejo a evolução tecnológica a imiscuir-se cada vez mais em processos comunicacionais sistematizados na nossa sociedade durante períodos de durações variadas (décadas para a música e imagem gravadas, séculos para a palavra impressa, e milénios para a palavra escrita), poderemos estar prestes a assistir à reconversão do meio de comunicação indirecta mais “sagrado” entre os demais (especialmente para os designers de comunicação 😉 ) , o livro.

E essa reconversão terá especial ênfase na parte “indirecta” do livro; a Amazon propõe-nos a hipótese de adquirirmos livros directamente da loja on-line para o nosso Kindle, um pouco como se podem adquirir faixas de música da iTunes Store através de um iPod Touch… Serão porventura mais interessantes e revolucionárias as potenciais funcionalidades de permitir aos autores efectuarem actualizações às suas obras, e de os respectivos leitores providenciarem um feedback ao autor e entre si, tanto sob a forma de comentários como através da partilha de anotações e sublinhados que eventualmente fizerem nas obras que possuam (!).

Quanto ao aparelhómetro em si, será esta frase que resume melhor o pré-requisito para o sucesso de qualquer leitor de e-books:

“Over the centuries, the sweet spot has been identified: something you hold in your hand, something you can curl up with in bed.

Claro. Não seria capaz de definir melhor a relação que tenho com os livros 😉 … Nesse sentido, a escolha do formato para o Kindle, aproximadamente o de um paperback, foi feliz; já o ecrã “e-Ink” – tecnologia promissora mas que atinge apenas, por enquanto, os 167 DPI (assim indicado no artigo; não deveria ser PPI?) em escala de cinzentos – e o seu interface limitado (aquela coisa está mesmo a pedir um touchscreen), assim como algumas opções aberrantes como o seu preço um pouco exorbitante ($399) e a cobrança por parte da Amazon de uma “pequena” quantia na conversão de material próprio do utilizador (.DOCs, .PDFs, etc.) para um formato com ele compatível (tudo o que seja mais que €0,00 é demasiado! 😉 ), não o deixarão ter imediatamente o sucesso a que poderá um dia aspirar.

Em suma, na humilde opinião aqui do je, a Amazon poderá ter a eficácia de uma iTunes Store mas o Kindle, na melhor das hipóteses, terá o sucesso de um Creative Nomad… É um percussor, mas o iPod dos livros ainda estará para vir (quem sabe, pela mão da Apple, mas não é isso que importa neste momento). Ficamos é com a garantia quase certa de que virá; até lá, o melhor que poderemos fazer será prepararmo-nos para as implicações que ele terá na indústria do livro impresso, e aprendermos a aproveitá-las a nosso favor, a bem da eficácia dos processos comunicacionais e do pãozinho na nossa mesa. 😐

Johnny

Anúncios

4 Responses to “O Futuro [a médio/longo prazo] da Leitura”


  1. Dezembro 11, 2007 às 4:03 am

    no que a mim me toca, sendo português e sem cartão de credito, ficaria mais feliz se a Amazon não me cobrasse portes nos livros que vende para cá (veja-se o http://www.bookdepository.co.uk)…

    de qualquer maneira, um pequeno remoque acerca das vantagens do Kindle: é que um livro não fica sem pilhas…

    gambozino 😉

  2. 2 telmo
    Março 9, 2008 às 8:26 pm

    espreitei isto num tempinho livre
    tá fixe, sóbrio

    mas recomendo que uses o tamanho 72 no meio dos textos
    porque se não te conhecesse não me dava ao trabalho de ler um texto tão compacto

    e sobre o dpi é dots per inch, que é também é usado como o pixels per inch, é a mesma porcaria

    fica bem

  3. 3 lucia
    Abril 24, 2008 às 9:15 am

    Além de que nunca poderás jamais conseguir com “aparelhometros” desses a graça e elegância de um texto com highlights feitos nos transportes públicos, em amarelo canário todos tremidos…

    Falando em livros e na Amazon, assola-me o medo de mandar vir seja la o que for pela Amazon dos EUA por causa das tretas das alfandegas…mas a .UK é mais caro… *enfim*

    Acho que nunca tinha deixado um cometário num blog, fantástico, gosto disto! 😉

  4. Junho 11, 2008 às 8:14 am

    O aparelho descrito neste artigo seria um bom item para estudantes. Em vez de carregar pesadíssimos livros, bastaria ter um desses na mochila.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: