Archive for the 'Desv[á]rios' Category

03
Jun
08

Desculpas, desculpas, e uns avisos à navegação

Não tenho escrito muito ultimamente, daí as desculpas: Ah, e tal, tenho tido muito trabalho (yeah, right!)… A verdade é que o acto criativo é por si só complicado, e essa energia quase que a gasto toda na Faculdade. Já o acto interpretativo, esse, está mais concentrado no canto que outra coisa. Sobra ainda o crítico, e para esse não me faltam coisinhas sumarentas “neste país” com que me entreter.

Adiante. No meu caso concreto, ter a vida preenchida não é desculpa, ainda para mais quando uma boa parte do meu tempo livre é passada aqui, e logo a ler artigos extremamente interessantes (bem sei que a noção de “interessante” não é universal, mas tenho a noção de que há um conjunto de temas mais englobantes, e de outros particularmente direccionados para nerds tipógrafos como eu que sejam atraídos pelo nome sugestivo do blog 😉 ) que bem podiam ser aqui referenciados e a partir dos quais eu (ou outros) poderia criar ideias novas e originais.

Dito isso, a minha estratégia vai ser um pouco uma cópia descarada e de inferior qualidade da do magnífico, soberbo, supremo John Gruber (autor do reconhecido Daring Fireball, blog que recomendo vivamente e que praticamente justifica aprender a dominar o inglês para aqueles que não consigam já); aliás, tenciono fazer referências em segunda mão à “linked list” dele, alguns comentários a esses artigos, e inclusivamente aos dele (obviamente que o sr. Gruber não é a minha única referência nem será a minha única fonte, dei apenas o exemplo dele por me parecer ser o mais paradigmático). Da mesma forma, vou tentar fazer o bonito uma vez por outra e publicar também algum material próprio. Sejamos realistas: dá muito menos trabalho gerir um blog assim… Posso manter o interesse dos leitores e das leitoras e partilhar as minhas démarches pelas avenidas, vielas e becos da Internet (não sou muito de andar em auto-estradas, como quem me conhece saberá bem e quem não me conhece ficará a saber 😉 ).

Daí o meu “aviso à navegação” (vulgo “disclaimer”, palavra que utilizo com uma frequência pouco saudável): não, o blog não está morto, mas a sua “vida” não tem necessariamente que ser estar hibernado e receber um post de proporções épicas a cada seis meses, nem que a alternativa passe por funcionar como um agregador de “cenas”, qual katamari pessoal aqui do je. 😛

Espero que gostem do novo formato, e boas guinadas por aí! 🙂

Johnny

Anúncios
17
Nov
07

Primeiro Post! ;)

O meu lanche.

Este é o meu primeiro post na minha primeira experiência “a sério” de blog. O seu nome talvez anuncie à partida intenções grandiosas, o que não anda demasiado longe de uma verdade secreta e interior, mas devo dizer já que não tenho experiência nenhuma nisto, por isso a qualidade e a frequência da escrita poderão vir a não ser as melhores. Também gostava de “dar um jeito à casa” antes de abrir a porta – aprender uma coisita ou duas de CSS e dedicar-me a sério a criar um “ambiente” personalizado para o blog – mas a minha disponibilidade, tanto mental como temporal, não é das melhores neste momento. Oh well…

Dito isto, acho que posso começar por fazer o meu “mini-manifesto”: no meu dia-a-dia eu sou um gajo muito “caixa-alta-setenta-e-dois-pontos”, na medida em que acho que o que está cá dentro é para ser aproveitado, assim como o que está por aí fora é para ser esmiuçado, sendo que o resultado desse processo digestivo é para ser exposto sem grandes rodeios nem contemplações.

É verdade que, para além de [re]produzir ruído branco e banalidades inevitáveis, às vezes posso tornar-me um pouco obtuso ou desagradável, ou dizer certas coisas que, no seu conteúdo, sejam mais… rudes, ásperas, desafiadoras ao status quo ou pura e simplesmente parvas. Mas, tal como num título, numa palavra de ordem, numa lápide, há lugar para o estilo – quanto mais não seja tipográfico – que suaviza, intensifica, retira ou acrescenta (temperar a gosto) algo à mensagem, também num blog, ou numa qualquer farpa que lançamos no café, uma simples vírgula ou um ruído gutural bem aplicados podem fazer toda a diferença…

A referência tipográfica não surge, obviamente, por acaso, mas este não vai ser um blog sobre Design. O tema terá forçosamente (espero eu) que surgir com frequência, mas há por aí todo um vasto mundo de pérolas e porcos a explorar por essa web fora, essa verdadeira mina de ouro e caca (basta passar 5 minutos no YouTube para perceber isso 😛 ), e cabe aqui a este humilde mineiro/alquimista fazer o tal exercício de estilo (ou falta dele) vs. conteúdo. Claro que também será boa ideia colocar aqui alguns objectos e ideias originais e/ou anteriormente offline que eu vá conseguindo arrebanhar, para ir mantendo o sistema em crescimento e renovação constantes.

Para terminar, resta-me desejar uma boa navegação aos que por cá passarem, esperar que apreciem a vossa estadia entre cliques e, se os temas vos interessarem, que se sintam à vontade para fazer comentários; mas se não gostarem da vossa estadia podem comentar na mesma! Não vem daí mal nenhum ao mundo, é da maneira que ele não se vira do avesso (citando uma amiga minha 🙂 ), coisa que não me apetecia nada que acontecesse pois retiraria toda a mística à exploração das tripas daquele. 😉

Johnny